Dar poder de decisão às mulheres: combate ao trabalho infantil, ajudando as mulheres a gerar o seu próprio salário

6 Mar, 2015
Combater o trabalho infantil com uma planta de cada vez

Durante longos anos a mandioca tem feito parte da dieta de mais de 500 mil milhões de pessoas nos países subdesenvolvidos, um arbusto tropical que literalmente salva vidas. A mandioca é uma das plantações mais resistentes do mundo, capaz de crescer em praticamente todo o tipo de solo.

Esta poderosa arma usada contra a fome apresenta-se agora bastante eficaz numa outra luta, a da erradicação do trabalho infantil nas comunidades que cultivam cacau no oeste Africano.

Colocar as crianças na escola

Como um dos principais compradores de cacau na Costa do Marfim, a Nestlé tem colaborado, através do “Nestlé Cocoa Plan”, com o governo deste país, com parceiros e fornecedores locais, de modo a reduzir o risco de crianças realizarem trabalhos pesados e perigosos nas plantações de cacau das suas famílias.

Colocar as crianças na escola é uma das formas mais eficientes para lidar com o problema do trabalho infantil. Em parceria com a World Cocoa Foundation, a empresa já construiu e reabilitou mais de 40 escolas no país, mas ainda muitas crianças não estudam.

A contribuição que as mulheres dão na produção de cacau passa frequentemente despercebido. São os homens que recolhem o pagamento, fazendo com que a partilha desse valor com as mulheres dependa da relação que exista entre ambos.

Através de uma melhoria dos ganhos monetários das mulheres através das suas atividades, maiores irão ser as probabilidades que essa verba seja gasta com a família, incluindo o pagamento dos estudos das crianças.

O Banco Mundial estima que um aumento de 10 dólares no rendimento de uma mulher tem tanto impacto como o aumento de 110 dólares no rendimento de um homem. Desta forma a Nestlé e a ICI estipularam o objetivo de ajudar as mulheres a ganharem dinheiro suficiente para poderem suportar a educação de pelo menos duas crianças.

Gerar rendimentos

A mandioca é um tipo de plantação tradicionalmente gerido por mulheres. Ajuda a que estas desenvolvam pequenos negócios à medida que se vai introduzindo nas práticas culturais das comunidades a que pertencem.

Para além de contribuir para a alimentação da sua família, parte da produção pode ser vendida, criando assim rendimentos sobre o trabalho. Desta forma o seu estatuto económico ganha mais relevo, tanto nas suas famílias, como na sua comunidade.

Contudo existem algumas barreiras e uma das principais está relacionada com os terrenos para cultivo. As mulheres detêm muito pouco acesso a espaços para poderem plantar algo nas suas localidades, desta forma tem que existir uma persuasão sobre os homens de forma a concederem uma porção das suas terras para que estas possam plantar mandioca.

A implementação de projetos desta natureza pode ter uma duração de 3 meses e requere muito diálogo com diferentes membros das comunidades.

Nick Weatherill, o Executive Director da ICI refere “os locais onde os projetos já estão em implantação os resultados iniciais têm sido encorajadores. As mulheres que temos ajudado estão a ganhar mais dinheiro do que o necessário para suportar os estudos de duas crianças suas.”

Tarefas “Masculinas” e “Femininas”

De forma a fortalecer o esforço realizado, em áreas onde a exploração do trabalho infantil está presente, a ICI está também a mostrar a mais-valia que a contribuição das mulheres pode dar em tarefas denominadas como “masculinas” como a produção de cacau.

Através da demonstração, tanto aos homens como às mulheres, que as atividades domésticas tradicionalmente “femininas”, como cuidar de uma criança, realizam várias ações que contribuem para a produção de cacau. Desta forma, o diálogo para a criação de práticas que contribuam para a evolução da vida das mulheres pode ser mais facilitado e presente.

Passo a passo

É necessário realizar este tipo de ações passo a passo, pois iniciativas como estas não têm uma aceitação fácil. Dando como exemplo o registo nas cooperativas de agricultores de cacau, onde só é possível ser um representante da família, acaba por ser normalmente o homem, fazendo com que a mulher não detenha nenhum estatuto.

A Nestlé e a ICI estão a trabalhar de modo a persuadir as cooperativas a permitirem o registo tanto de esposas como de maridos – conferindo assim uma maior visibilidade às mulheres, potencializando a presença das suas vozes sobre a forma como a organização é gerida e facilitando a criação de serviços para as mulheres.

“Pequenas mudanças como estas podem fazer uma grande diferença nos esforços para acabar com o trabalho infantil”, refere a diretora da Nestle’s Global Chocolate and Confectionary Business, Sandra Martinez.

“Dar mais poder às mulheres nas suas comunidades e famílias é vital.”

Desafios


Há dois anos que a Nestlé implementou o sistema “Child Labour Monitoring and Remediation” na Costa do Marfim. A ICI recrutou membros das comunidades desse país para ajudarem a localizar e monitorizar os locais onde crianças trabalham ou estão em risco de ir trabalhar nas plantações de cacau.

Até agora apenas uma pequena parte das pessoas empregadas são mulheres, apesar do esforço que tem vindo a ser realizado. O “Overseas Development Institute”, um grupo de pesquisa sediado em Inglaterra, estima que as mulheres das comunidades produtoras de cacau trabalhem uma média de 63 horas por semana, das quais 26 horas estão relacionadas com tarefas domésticas.

Contrastando, os homens trabalham uma média de 49 horas semanais, dedicando menos de metade de tempo que as mulheres para as tarefas domésticas. Os níveis de literacia são geralmente mais baixos nas mulheres do que nos homens.

A falta de tempo e a baixa educação faz com que as mulheres tenham dificuldades em encontrar empregos que combatam o trabalho infantil nas suas comunidades. É por isso que o cultivo de mandioca, que se mostra culturalmente compatível com as comunidades que plantam cacau, pode desempenhar um papel fundamental para erradicar o trabalho infantil.

Nivelamento do poder

Ajudar as mulheres a gerarem os seus próprios rendimentos não altera as suas vidas por completo, ou das suas comunidades, mas os hábitos culturais que no passado restringiam o papel das mulheres na indústria do cacau estão a ser desafiados. A Nestlé promove mudança naquilo que pode.

Há um ano apenas uma das explorações para plantação de cacau que estava sob a alçada do “Nestlé Cocoa Plan” era liderada por uma mulher. Agora já se contam nove explorações lideradas por mulheres e mais se esperam alcançar.

Passo a passo estas mudanças estão a contribuir para aquilo a que a ICI designa por “nivelamento” do poder nas famílias em zonas com plantações de cacau.

Os primeiros dados que estão a ser recolhidos sobre esta iniciativa sugerem que as crianças começam a sair dos terrenos de cultivo para as salas de aula, uma excelente razão para continuar a centrar esforços na melhoria das condições sociais das mulheres, crianças e famílias em áreas com plantações de cacau.

Links relacionados

Creating shared value: rural development and responsible sourcing
http://www.nestle.com/csv/rural-development-responsible-sourcing

Nestlé Cocoa Plan
http://www.nestlecocoaplan.com/?_sm_byp=iVVSTrs1QtbZj4KJ

Nestlé Action Plan on women in the cocoa supply chain
http://www.nestle.com/asset-library/documents/creating-shared-value/responsible-sourcing/nestle-action-plan-women-in-cocoa-supply-chain-july-2014.pdf

Nestlé and women empowerment
http://www.nestle.com/csv/what-is-csv/women-empowerment

Histórias relacionadas

Nestlé makes progress on empowering women in cocoa supply chain
http://www.nestle.com/media/news/nestle-empowers-women-in-cocoa-supply-chain-update

Helping women play a bigger role in cocoa in Côte d’Ivoire
http://www.nestle.com/media/news/helping-women-cocoa-ivory-coast

Nestlé: Tackling child labour in cocoa farming
http://www.nestle.com/media/newsandfeatures/cocoa-plan-child-labour

Helping Côte d’Ivoire’s women in cocoa communities
http://www.nestle.com/media/news/cote-ivoire-women-cocoa

CNN travels to the cocoa plantations of the Ivory Coast with Nestlé
http://www.nestle.com/media/news/cnn-cocoanomics-cocoa-farm-jose-lopez-ivory-coast

Nestlé dedicated to women’s empowerment worldwide
http://www.nestle.com/media/news/empowering-women

Nestlé empowers female coffee farmers in Kenya
http://www.nestle.com/media/newsandfeatures/female-coffee-farmers-kenya

Slideshow: Nestlé signs up to Women’s Empowerment Principles
http://www.nestle.com/media/newsandfeatures/womens-empowerment-principles

Nestlé boosts nutrition education for women and teenagers in Aboriginal communities in Australia
http://www.nestle.com/media/newsandfeatures/australia-aboriginal-youth