Voltar a As nossas histórias
2 minutos de leitura
"É um pouco como ter um animal de estimação. Tem que o amar e cuidar dele e em troca ele vai cuidar de si".

Os olhos de Andrew Griffiths não brilham muito, mas tem um grande sorriso enquanto fala sobre a nova adição à fábrica da Nestlé em Fawdon. 

O "animal de estimação" a que ele se está a referir não é um gato de escritório ou uma cabra trazida para manter a relva aparada. Andrew, que é o Director de Sustentabilidade Ambiental da Nestlé no Reino Unido, está a falar sobre uma fábrica de digestão anaeróbia, que gargareja silenciosamente através de centenas de milhares de litros de resíduos líquidos todos os dias e transforma-os em energia verde.

Sopa de chocolate 

A fábrica no nordeste da Inglaterra faz algumas das marcas de produtos de confeitaria mais conhecidas da Nestlé, como Rolos e Fruit Pastilles. A produção destes doces cria inevitavelmente alguns resíduos. Olhando para formas de poder utilizar este desperdício em vez de ser deitado fora, os gestores recorreram a uma técnica que tem séculos chamada conversão anaeróbia. 

 

A fábrica está principalmente focada em processar os resíduos líquidos do local. Além disso os chocolates e doces rejeitados que não são adequados para comer, e outras sobras incluindo amido e açúcar são divididos em pequenos pedaços. A mistura é então dissolvida em resíduos líquidos dos processos de limpeza do local para criar uma ‘sopa de chocolate’ (que definitivamente não é tão saborosa como parece). 

Esta ‘sopa’ é então alimentada a um tanque hermético. No interior, ocorre a digestão anaeróbia - o processo natural das bactérias a degradar o material biodegradável. E é por isso que Andrew Griffiths vê a fábrica sendo como um animal de estimação. É uma coisa viva com seus próprios gostos e desgostos. 

"Pode ficar muito aborrecida se a sua dieta mudar muito rapidamente. Evolui e desenvolve-se ao longo do tempo". 

A indústria agrícola usou a técnica durante séculos, mas o que torna invulgar o sistema em Fawdon é a sua capacidade de lidar com este resíduo líquido muito mais rapidamente.

Dos resíduos ao calor 

A digestão anaeróbia produz biogás, um combustível renovável que contém metano. O biogás produzido em Fawdon pode fornecer energia suficiente para satisfazer entre 5-8% das necessidades energéticas do local. 

"Deu-nos uma grande oportunidade de diminuir os nossos resíduos, reduzindo drasticamente a nossa pegada ambiental" Andrew Griffiths, Diretor de Sustentabilidade Ambiental, Nestlé Reino Unido

Além de produzir energia, o digestor ajuda a limpar as águas residuais descarregadas da fábrica. 

"Deu-nos uma grande oportunidade de diminuir os nossos resíduos, reduzindo drasticamente a nossa pegada ambiental", diz Andrew Griffiths.  

Embora baseado num princípio simples, o sistema de biogás levou tempo e dinheiro para acertar. O sítio pilotou o projeto durante três meses, usando uma versão mais pequena do digestor anaeróbio. 

Instalado a um custo de CHF 4,7 milhões, o sistema em Fawdon não era barato. Mas a economia de custos que gera significa que o sistema é economicamente viável.

Zero Resíduos 

O projeto de Fawdon é apenas um dos muitos em que a Nestlé está a investir. 

Recentemente, a Companhia deu aos criadores de gado do Panamá pequenos digestores anaeróbios. Estes transformam os resíduos animais em biogás para cozinhar e fertilizante líquido.

Objectivo da Nestlé: zero resíduos nas suas instalações até 2020.

Os agricultores já não dependem da madeira para combustível, reduzindo a desflorestação das áreas circundantes. 

A Nestlé implementou projetos semelhantes com agricultores com que trabalha em locais como a China, o México e o Paquistão. 

Estes são apenas alguns exemplos de como a Companhia está a trabalhar para atingir o seu objetivo de zero resíduos nas suas unidades até 2020.

Comportamento humano 

Para Andrew Griffiths, um dos benefícios inesperados do projeto de zero resíduos é o efeito que teve na força de trabalho. Ver os resíduos a serem transformados em energia no local fez com que todos se concentrassem no que mais poderiam fazer na sua própria área para fazer a diferença. 

 

"Tem sido um catalisador para ajudar todos na fábrica a compreender mais sobre a redução do nosso impacto ambiental." 

As bactérias podem ser minúsculas, mas podem fazer uma enorme diferença quando se trata de reduzir o consumo de energia, eliminar resíduos e até mudar o comportamento humano.