Nestlé é a primeira Companhia de Alimentação do Mundo a fechar parceria com a Fair Labor Association

2 Jan, 2012

A Nestlé fechou uma parceria com a Fair Labor Association (FLA), por forma a investigar a existência, ou não, de trabalho infantil nas explorações agrícolas de cacau fornecedoras das suas fábricas.
A FLA é uma entidade não governamental que trabalha com múltiplas empresas para, em conjunto, melhorarem as condições laborais dos seus fornecedores.
Assim, em Janeiro, a FLA enviará peritos independentes para a Costa do Marfim a fim de inspeccionarem a cadeia de fornecimento de cacau da Nestlé. Se for encontrada alguma evidência de existência de trabalho infantil, a FLA identificará as raízes do problema e fará recomendações à Nestlé sobre como resolvê-las de forma sustentável e duradoura.  
O papel da FLA será utilizar sua experiência para ajudar a Nestlé a assegurar a eficácia e transparência dos seus esforços para a eliminação do trabalho infantil neste país.

Primeira Companhia de Alimentação a fechar parceria com a FLA
A Nestlé dá assim início ao processo para se tornar membro da FLA, sendo a primeira companhia de alimentação do mundo a tomar esta iniciativa. 
O trabalho da FLA com a Nestlé na área do cacau começará com no início do próximo ano, na Costa do Marfim, o maior exportador mundial desta matéria-prima. Na primeira fase dos trabalhos, a FLA enviará uma equipa de peritos independentes para o terreno para fazerem o mapeamento da cadeia de abastecimento de cacau da Nestlé.
Os resultados da avaliação da FLA, que serão divulgados na Primavera de 2012, servirão para orientar as relações e operações da Nestlé com estes fornecedores locais, no futuro.
“O trabalho infantil não tem lugar na nossa cadeia de abastecimento”, declarou José Lopez, Vice-Presidente Executivo de Operações da Nestlé. “Não podemos resolver os problemas sozinhos. No entanto, trabalhando com um parceiro como a FLA, podemos concentrar os nossos esforços nas áreas onde existem mais necessidades.”

Trabalhar em parceria com Stakeholders para resolver o problema
A FLA é uma organização que colabora com empresas, organizações da sociedade civil e peritos para, em conjunto, promoverem o cumprimento das normas internacionais ligadas ao Trabalho, com enfoque no tema da mão-de-obra infantil.
Numa segunda fase, a Nestlé trabalhará com a FLA e outras partes interessadas, incluindo o governo da Costa do Marfim, para tentarem resolver os problemas identificados.
A FLA avaliará o impacto dessas iniciativas e divulgará, regularmente, os resultados obtidos a todas as partes interessadas.

Melhorar as condições de trabalho
Auret van Heerden, Presidente da FLA, refere esta oportunidade de trabalhar em parceria com a Nestlé nestas temáticas laborais: “A nossa abordagem distingue-se pela capacidade de transferir o enfoque da auditoria no que se passa, para a identificação do que possa vir a ser um problema”, explicou. “Podemos ajudar a desenvolver a capacidade de lidar com as questões identificadas na Costa do Marfim e, posteriormente, medir a eficácia das medidas correctivas aplicadas.”

Continuar a construir o Plano do Cacau Nestlé (The Cocoa Plan)
O trabalho com a FLA ajudará a complementar as iniciativas da Nestlé, voltadas a promover a sustentabilidade e as melhores práticas de trabalho na cadeia de fornecimento do cacau, que foram definidas no Plano do Cacau da Nestlé (The Cocoa Plan).
Nos próximos dez anos a Nestlé investirá 110 milhões de CHF no Programa do Cacau para ajudar a melhorar a qualidade de vida dos agricultores e das comunidades agrícolas, bem como para melhorar a sustentabilidade e qualidade do cacau produzido nas futuras gerações. Este plano ajuda os agricultores, as suas famílias, e as comunidades onde vivem.
Na Costa do Marfim, a Nestlé trabalha com duas outras organizações, a UTZ e a Fairtrade, para assegurar que o cacau que compra para as suas produções tem origem em fontes responsáveis e sustentáveis.
Hoje fazem parte do Plano de Cacau da Nestlé 22 cooperativas agrícolas da Costa do Marfim, sendo que todos os anos este número tem vindo a aumentar.

Uma cadeia de abastecimento longa e complexa.
A cadeia de abastecimento do cacau é longa e complexa. Isso dificulta a identificação, pelas empresas de alimentação, sobre a origem precisa do cacau e as condições em que foi produzido.
A certificação realizada por organizações como a UTZ e a Fairtrade dá garantias aos consumidores de que o cacau foi produzido sob condições próprias e indica que os agricultores que trabalham para a cooperativa receberam formação adequada para dissuadi-los de usar o trabalho infantil nas suas explorações. As cooperativas são auditadas uma vez por ano.
Embora as iniciativas do Plano de Cacau incluam as operações da Nestlé em vários países, o projecto com a FLA começará na Costa do Marfim, onde a Companhia compra a maior parte do cacau que utiliza.
Na Costa do Marfim há, actualmente, mais de 800.000 fazendas de cacau, na sua maioria de pequenas dimensões e de propriedade e operação familiar.
“Até hoje não foi possível identificar um parceiro com capacidade para nos ajudar neste tipo de projecto”, afirmou José Lopez. “Agora encontrámos uma organização que nos pode ajudar a contribuir para a resolução deste problema do trabalho infantil.”