Atividade celular influencia perda de peso

Mar 16, 2018

Atividade celular influencia perda de peso 

Por que é que algumas pessoas perdem peso mais facilmente do que outras? Esta é uma das muitas questões a que a equipa de investigação científica da Nestlé está a dar resposta.

A atividade celular no nosso corpo pode ser decisiva para a perda de peso. A convicção é da equipa do Nestlé Institute of Health Sciences, que está a analisar a redução de peso ao nível molecular.O objetivo é tentar perceber como é que o corpo metaboliza os alimentos, por que motivo há pessoas que perdem peso com mais facilidade do que outras, de que forma o corpo responde a certos alimentos e por que razão a perda de peso ajuda algumas pessoas a prevenir a diabetes e a outras não.

De acordo com esta nova abordagem, não basta fazer exercício físico e ter uma alimentação cuidada. É preciso encarar a perda de peso de uma forma mais personalizada, tentando compreender o metabolismo e as necessidades de cada um.

Descobertas recentes

A investigação da Nestlé permitiu chegar a três importantes conclusões: a presença de pequenos «motores» nas células com capacidade de converter os alimentos em energia; a existência de um produto nutricional capaz de imitar os efeitos do exercício; e marcadores no sangue que possibilitam aos profissionais de saúde saber quais os doentes que vão responder ao controlo do açúcar, após a perda de peso.

As nossas células contêm mitocôndrias, pequenos «motores» que as alimentam e que convertem os alimentos em energia. Contudo, o número de mitocôndrias varia de indivíduo para indivíduo. Segundo um estudo feito pela Nestlé, em conjunto com a Universidade de Lausanne e a Escola Politécnica Federal de Lausanne, o exercício físico não só aumenta o número de mitocôndrias presentes nas células, como também faz com que as proteínas produtoras de energia que as mitocôndrias contêm se aglomerem.

Os cientistas descobriram ainda que existe um produto nutricional capaz de imitar os efeitos do exercício. A pesquisa feita à enzima AMPK – uma espécie de «interruptor principal» metabólico que ajuda os músculos a transformar a glucose e a gordura em energia – permitiu desvendar que esta substância pode ser controlada, fazendo com que leve mais glucose do sangue para o músculo e aumente a quantidade de gordura transformada em energia. Esta inovação não deve ser uma substituição para a prática de exercício físico, mas pode ajudar pessoas com doenças crónicas, como a obesidade ou a diabetes de tipo 2, que não podem fazer exercício regularmente, ou que estejam a recuperar de uma lesão.

Apesar de se considerar que a perda de peso das pessoas que são pré-diabéticas e têm excesso de peso impede o desenvolvimento da doença, o que é certo é que nem sempre isso acontece. Segundo uma investigação da Nestlé, em conjunto com as Universidades de Maastricht e de Copenhaga, há determinados marcadores no sangue que poderão permitir distinguir pessoas pré-diabéticas que têm probabilidade de responder à perda de peso com um melhor controlo do açúcar, prevenindo a diabetes de tipo 2.